23 de Fevereiro, 2024

Governo cancela reunião sobre reajuste e irrita servidores, que prometem protesto

Descripción de la imagen

Aguardando imagem patrocinada

O governo federal cancelou a reunião que teria nesta terça-feira (7) com funcionários públicos do Executivo para discutir o reajuste salarial da classe. É a segunda vez desde a semana passada que o Palácio do Planalto pede mais tempo para analisar a recomposição dos servidores.No último mês, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) sugeriu um aumento de 7,8% aos funcionários do Executivo, mas os servidores não aceitaram. Em contraproposta, eles pediram um reajuste de 13,5%. O governo prometeu dar uma resposta até a sexta-feira da semana passada (3), o que não ocorreu.

Segundo a ministra da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos, Esther Dweck, a reunião desta terça não foi realizada “exatamente para avaliar melhor a contraproposta das servidoras e servidores”. Em ofício enviado aos funcionários, a pasta informou que espera concluir o processo o mais breve possível.

Dia de protestosInsatisfeitos com a postura do governo, os funcionários pretendem fazer um dia nacional de protestos, segundo o presidente do Fórum Nacional Permanente de Carreiras Típicas do Estado (Fonacate), Rudinei Marques. A decisão sobre o protesto deve ser tomada ainda nesta terça.

Entretanto, o governo deve contestar o percentual apresentado, pois pretende incluir dentro da verba disponível os custos para reajustar o vale-alimentação da classe. A proposta inicial formulada pela gestão de Lula previa, além de uma recomposição de 7,8% nos salários, aumentar o benefício alimentar em R$ 200, passando os atuais R$ 458 para R$ 658. A alta seria de 43,6%.No entanto, o Fonacate quer que os R$ 11,2 bilhões sejam usados apenas para reajustar os salários dos servidores e que o Executivo busque outras fontes para aumentar o valor do vale-alimentação. Nas contas da entidade, o governo precisaria de mais R$ 1,4 bilhão para resolver a equação.

R7