23 de Fevereiro, 2024

Senado vai discutir taxa de juros e inflação com Campos Neto, Haddad e Tebet

Descripción de la imagen

Aguardando imagem patrocinada

O plenário do Senado aprovou nesta terça-feira (14) a realização de uma sessão de debates sobre inflação e a taxa básica de juros da economia, a Selic, com a participação dos ministros Fernando Haddad (Fazenda) e Simone Tebet (Planejamento e Orçamento). O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, também foi convidado, mas pode recusar o convite.A data do encontro, que também terá a participação de economistas, ainda não foi definida. A sessão foi solicitada pelo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), e aprovada de forma simbólica pelos demais senadores.Segundo Pacheco, a discussão sobre o assunto é necessária para “direcionar esforços para a construção de soluções capazes de evitar a perda do poder de compra da nossa população sem prejudicar o crescimento imediato da nossa economia”.

Desde a posse, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tem criticado a independência do Banco Central e a decisão do órgão de manter a Selic em 13,75%. De acordo com Lula, não há justificativa para que o índice esteja nesse patamar, o que, segundo ele, atrapalha o crescimento do Brasil.

No entendimento de Pacheco, a sessão de debates pode permitir que governo e Banco Central entrem em consenso sobre qual é a melhor decisão para o país.

Seria muito importante haver uma sessão que envolvesse personagens da política e da economia do Brasil no plenário do Senado Federal, que tem uma atribuição constitucional de tratar dessas matérias relevantes, para que pudéssemos extrair conclusões que sejam assertivas, tecnicamente corretas e com base empírica, para podermos seguir um caminho de crescimento, com contenção da inflação.RODRIGO PACHECO (PSD-MG), PRESIDENTE DO SENADOOutros convidadosAlém de Haddad, Tebet e Campos Neto, foram convidadas 12 autoridades, entre elas o ex-presidente do Banco Central Armínio Fraga; o ex-presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia; o presidente da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Isaac Sidney Menezes Ferreira; e o ex-secretário do Tesouro Nacional Bruno Funchal.

R7