23 de Fevereiro, 2024

A mãe heroica que largou a carreira para cuidar da filha autista

Mônica e Paola

Descripción de la imagen

Aguardando imagem patrocinada

Um movimento que a cada dia está sensibilizando o âmago da sociedade brasileira é a causa de pessoas portadoras de autismo, que por assim histórias com frequência vem surgindo. É o caso da recepcionista de Vitória, no Espírito Santos, Mônica Barcelos dos Santos, de 49 anos, que após receber o diagnóstico da caçula com a síndrome resolveu larga a profissão e se dedicar com afinco a cuidar da filha, chamada de Paola.

Enredo emblemático onde exibe a trajetória no mundo real de uma ex – funcionária de empresa de plano de saúde que se capacitou e passou a atuar no apoio escolar especializado às crianças com deficiência, função denominada de cuidadora.      

“Minha menina não aceitava o ‘não’ e nem filas, ela tinha crises e eu sabia que havia algo diferente, mas demorei para admitir, porque me culpava. Quando finalmente entendi o autismo, mergulhei tanto no assunto que me interessei pela vaga de trabalho que, coincidentemente, apareceu. E virar cuidadora escolar foi algo que me fortaleceu e me tornou uma pessoa melhor. Auxiliar outros alunos também ajudou a enxergar mais minha própria filha. Antes, eu queria fazer tudo por ela e, hoje, sei a importância de trabalhar sua autonomia, de dar segurança para que ela reaja da melhor forma às situações”, narra Mônica.

Como profissional de apoio, Mônica assumiu a missão de auxiliar estudantes com deficiência na alimentação, locomoção e higiene íntima e bucal, além de contribuir para que o aluno conquiste autonomia e estabeleça situações de socialização.

“Reconheço que deixo o meu eu para trás para servir e cuidar, porque as outras coisas passaram a ter menos importância depois da Paola. Nem lembro a última vez que passei uma maquiagem para sair de casa ou que fiz as unhas ou cuidei de fato da minha alimentação. Eu posso estar um caco, mas minha filha está sempre arrumada e de presilhinha no cabelo”, revela Mônica que diariamente começa a rotina por volta das 5h30 e só termina no fim da tarde, após as sessões de terapia ocupacional, fonoaudiologia, psicopedagogia, psicólogo e aulas de balé que a caçula frequenta.

Serviço:

Conviva Serviços;

Com três décadas de atuação, a Conviva Serviços exerce importante papel para a educação inclusiva no Brasil. É considerada a primeira entidade privada a se especializar para atender os alunos com deficiência na escola regular, através do profissional de apoio escolar. Com aproximadamente 1,3 mil funcionários, a Conviva Serviços está presente nos estados de São Paulo, Mato Grosso e Espírito Santo e, além do suporte especializado com constantes capacitações, oferece em seu quadro funcional equipes multidisciplinares.